Wednesday, 13 de July de 2016

Primeiras impressões do Mercedes Vito

Van leva 8 pessoas e bagagem com conforto, e não exige CNH tipo D.
Motor 2.0 turbo garante fôlego, mas faltam itens como câmera de ré.

As placas verdes, indicando que se trata de um veículo de testes ajudam a chamar a atenção nas ruas. Mesmo que tivesse placas convencionais, cinzas, o grandalhão iria atrair olhares curiosos por onde passasse. Capaz de levar 8 pessoas e bagagem com conforto, mas sem ter "cara" de van, o Vito é um dos Mercedes-Benz mais versáteis e, curiosamente, baratos à venda no Brasil.

Nas concessionárias de veículos comerciais da marca desde o fim do ano passado, o modelo é vendido em 3 versões, uma para cargas, com motor 1.6 a diesel de 114 cavalos, e duas para passageiros, com motor 2.0 turboflex de 184 cv.
O G1 avaliou por uma semana a versão mais completa, Tourer Luxo, que custa R$ 162 mil. No lançamento, porém, o preço era de R$ 139.990, ou R$ 22.010 a menos.
O Vito é bem completo, e traz itens como ar-condicionado, volante com regulagem de altura e profundidade, rádio com entrada USB e conexão Bluetooth, controles de tração e estabilidade e monitoramento de cansaço do condutor. Ainda assim, faltam equipamentos simples, como sensor de estacionamento e câmera de ré.

Tem concorrentes?
De acordo com a Mercedes, a principal utilização do Vito é o transporte executivo, porém em uma embalagem mais compacta. Ela não necessita de habilitação na categoria D, própria para veículos com peso bruto acima de 3,5 mil kg e capacidade para mais de 8 passageiros. A do tipo B, para veículos de passeio, basta.
A proposta do Vito também se encaixa em famílias que precisam de mais espaço para pessoas e bagagens do que os 7 lugares e porta-malas ínfimos das minivans. De quebra, ele ainda é mais barato do que rivais com este perfil, como Kia Grand Carnival (R$ 252.490) e Chrysler Town & Country (R$ 269,9 mil).
Neste caso, o modelo que mais se aproxima é o chinês Jac T8, van que leva 7 e custa R$ 95.990.

Não há sensor de ré ou câmera de estacionamento no Mercedes-Benz Vito Tourer (Foto: André Paixão/G1)

Gigante atrapalhado
A posição de dirigir mais alta lembra a de picapes e SUVs grandes – e o porte também. Apesar de ser menor do que uma Chevrolet S10, é indispensável ter cuidado na hora de guiar a van de 5,14 metros de comprimento, 3,20 m de entre-eixos, 1,93 m de largura e 1,91 m de altura.
Em certas situações, é preciso calcular melhor o posicionamento em ruas mais apertadas e “abrir” um pouco antes de fazer curvas. Mas nada que seja um grande desafio para o motorista. Até porque, com 3.050 kg de peso bruto, o Vito não exige do condutor habilitação na categoria D.

O grande deslize da Mercedes é não oferecer sensor ou câmera de estacionamento. Isso faz dele um gigante atrapalhado na hora de manobrar. Imagine fazer uma baliza com a visão obstruída por passageiros nos assentos centrais. Não é uma tarefa fácil, e um item que não custa tão caro deveria ser obrigatório em um carro que custa mais de R$ 150 mil.
É preciso fazer algumas concessões na hora de dirigir. O pedal de freio é mais pesado do que o habitual. Já a transmissão, manual de seis marchas, não tem a precisão de outras que equipam carros de passeio, e as vezes, é difícil conseguir engatar a primeira marcha – as demais possuem engate normal.

Acesso ao banco traseiro é bom, e cabine acomoda bem todos os ocupantes (Foto: André Paixão/G1)

Conforto para todos
Quem viaja das duas fileiras ainda conta com poltronas individuais revestidas com imitação de couro, com cintos de três pontos e possibilidade de inclinação, quatro fixações do tipo Isofix, ar-condicionado com quatro saídas nas duas fileiras traseiras, tomadas 12V e luzes de LED no teto.
O espaço é farto, inclusive para quem tem mais de 1,90 m. Ainda é possível rebater o encosto de cada um dos bancos, bem como rebater o assento ou até mesmo retirar completamente os bancos, tudo em nome do espaço.

Há saídas de ar e lâmpada auxiliar nas fileiras de trás do Mercedes-Benz Vito Tourer (Foto: André Paixão/G1)

Acabamento não é de luxo
Ao contrário da linha de automóveis da Mercedes, que costuma ter acabamento primoroso, o Vito não mostra constrangimento em ostentar plásticos duros pela cabine. Porém, todos os encaixes são precisos, e a falha é perdoada pelo fato de o modelo ser um comercial.
Por outro lado, há alguns componentes compartilhados com os automóveis, caso do volante multifuncional (que não é revestido de couro), alavanca de seta, chave e até os comandos de vidros elétricos.
O Vito não abre mão de oferecer alguns outros “mimos” para o motorista. Sobram porta-trecos pela cabine. A direção elétrica é macia (mais até do que a de alguns veículos de passeio), o computador de bordo é completo, e há fixação do tipo Isofix em todos os assentos das fileiras traseiras.
Ainda há rádio com entrada USB e auxiliar e conexão Bluetooth. O visual poderia ser mais moderno, inclusive com uma central multimídia. Mas tendo em vista que o modelo é um veículo comercial, este não é um ponto crucial.


Direção elétrica do Vito é macia, mas câmbio tem engates imprecisos (Foto: André Paixão/G1)

Ao volante
Durante o teste, foram mais de 700 km rodados, em vias urbanas e rodoviárias. O consumo urbano, com gasolina, ficou em 8 km/l, e o rodoviário, em 11,7 km/l. Em movimento, o Vito surpreende e empolga. Esqueça o comportamento pacato de outras vans. O veículo da Mercedes se sai muito bem com o motor de 2 litros com turbo e flexível.
Os 184 cv dão muito bem conta dos 2.175 kg, e fazem da van um veículo ágil. Até as 1.800 rotações por minuto, o desempenho é razoável, mas basta o motor “encher” um pouco para que o ponteiro velocímetro se mova com vontade.
O câmbio tem relações longas, e é possível fazer trocas de marcha com menos de 3 mil rpm que o desempenho ainda convence. Por outro lado, na hora de acelerar, é possível alcançar 120 km/h já em quarta marcha. A máxima, de acordo com a Mercedes, é de 160 km/h.
Mesmo com o veículo carregado, o desempenho agrada. Na hora de fazer curvas, nova surpresa com o bom comportamento da van. Não dá pra comparar com um ágil sedã da marca, mas, mesmo assim, a carroceria não tem rolamento excessivo. Já a suspensão, independente nas 4 rodas, transmite as imperfeições do solo aos ocupantes, com um sacolejar típico de vans maiores.

Chave do Vito Tourer é semlhante à de outros carros da Mercedes (Foto: André Paixão/G1)

Conclusão
O Vito pode ser considerado uma opção para as famílias que necessitam (muito) espaço. É a única van no mercado com fixação Isofix. Se parece pouco prático ter um carro tão grande para o cotidiano, o volume de pessoas que demonstrou curiosidade e interesse pelo carro nas ruas parece justificar a venda dele no Brasil.
Uma sugestão para a Mercedes é oferecer o modelo com alguns opcionais que trariam maior requinte, caso de uma central multimídia, câmbio automático, além de outros que melhorariam a experiência de condução, como sensor e câmera de ré.
Na Europa, existe até mesmo o Classe V, um modelo específico da divisão de automóveis para atender a este perfil de compradores. Quem sabe ele não teria um espaço aqui no país.

Venha conferir outros modelos da Mercedes Benz na AB Intercar: http://www.grupoab.com.br/mercedes-benz/

Saiba Mais sobre o mundo do automóvel: http://www.grupoab.com.br/blog/

Conheça Grupo AB: http://www.grupoab.com.br/

Fonte: Auto Esporte





Primeiras impressões do Mercedes Vito
Notícias recentes
5 cuidados que você deve ter com seu carro no frio 5 cuidados que você deve ter com seu carro no frio Saiba mais...
Honda explica porque Civic SI 2018 virá com mesma potência Honda explica porque Civic SI 2018 virá com mesma potência Saiba mais...
GM deve anunciar investimento para fazer novo SUV compacto GM deve anunciar investimento para fazer novo SUV compacto Saiba mais...
Teste: Volkswagen Saveiro Pepper cabine estendida Teste: Volkswagen Saveiro Pepper cabine estendida Saiba mais...
Busca


Receba novidades por e-mail
Campo obrigatório
Campo obrigatório Informe um e-mail válido Informe um e-mail válido