Entenda a nova gasolina vendida no Brasil


O aproveitamento dos recursos não renováveis é um dos principais fomentadores de novas tecnologias, bem como do aperfeiçoamento das já existentes no mercado automobilístico. No Brasil, um reflexo é o lançamento da nova gasolina, que está diretamente alinhada a essa proposta de menor nocividade ao meio ambiente e maior economia.


Tal busca foi a responsável pelo lançamento do etanol, o combustível derivado da cana de açúcar, ainda nos anos 70. Outros biocombustíveis foram lançados desde então, e, mais recentemente, ganhou força a produção de veículos elétricos e também o downsizing, que é a redução do número de cilindros e cilindradas dos motores mas com preservação e até aumento da potência.

Neste blogpost explicaremos melhor questões relacionadas à nova gasolina e suas implicações nos carros e no bolso do consumidor brasileiro. Quer saber como ela funciona? Continue a sua leitura!

Quais são as novas especificações?

Embora a aposta para o futuro sejam os veículos elétricos, que são ecologicamente mais amigáveis, ainda serão necessários esforços estruturais feitos pelos países, bem como o barateamento da tecnologia empregada, para que seja acessível a um número cada vez maior de pessoas.

Mas a preocupação com o meio ambiente e com o uso de energias não renováveis também ocupa os engenheiros e projetistas de todo o planeta, que buscam alternativas ou fórmulas melhores. Em nosso país, o combustível sempre foi visto com certa desconfiança, e certamente você já abasteceu em algum lugar no qual a gasolina rendeu bem menos que o esperado ou provocou falhas no funcionamento do motor.

Essa é uma triste realidade provocada pela falta de fiscalização e de ética de alguns. Mas, junto à nova gasolina, surgiram novos parâmetros para verificação da qualidade do combustível vendido pelos postos do Brasil. A alteração feita gerou novas especificações na gasolina, que incidem sobre a octanagem do combustível.

Octanagem é o atributo de resistência à queima dentro do motor do veículo, e quanto mais baixa, mais fácil será essa queima e menor será o seu rendimento. Combustíveis de baixa octanagem podem, inclusive, gerar a combustão espontânea, aumentando os riscos para quem a manuseia.

A Resolução nº 807 de 2020 da ANP estabelece que a octanagem mínima passa a ser de 92 unidades a partir de agosto do mesmo ano. O objetivo é gerar um combustível que renda mais e que emita menos gases poluentes. A nova octanagem mínima é compatível com a de gasolinas superiores distribuídas pela Petrobras, como a Premium e a Pódium, com respectivamente 91 e 97 unidades.

Como ela é diferente da que era vendida antes?

A octanagem mínima anterior era de 87 unidades, e o aumento exigido pela nova resolução certamente fará com que a eficiência energética seja bastante superior, além de possibilitar o lançamento de motores mais potentes e econômicos. A segurança no trânsito também será beneficiado pela melhor atuação do conjunto mecânico.

A nova especificação também altera a massa do combustível, que passará para o valor mínimo de 715 g/m³, que significa que 1 litro de gasolina deverá ter 715 gramas. A Resolução dificulta a adulteração, porque também estabelece que as bombas de abastecimento tenham um medidor calibrado para que se verifique o número mínimo exigido pela ANP.

Isso já acontecia com o etanol, e agora, com a obrigatoriedade nas bombas de gasolina, a adulteração deixará de ser uma realidade ou ficará cada vez menos comum.

Quais são os diferenciais de performance?

A alteração que gerou a nova gasolina aproxima o nosso combustível do que é vendido no mercado europeu e estadunidense. Isso facilitará a entrada de veículos projetados para esses países no Brasil, bem como o desenvolvimento de novos motores, como já mencionado.

Em relação aos atuais, a alteração não deve trazer prejuízo. Justo o contrário, o que se espera é que o consumo, performance e vida útil dos veículos aumente consideravelmente com a nova fórmula. O esperado é que a economia no rendimento fique entre 4 e 6%, o que aumentaria consideravelmente a autonomia dos veículos.

Qual será o impacto no seu bolso?

Ainda não se sabe qual será o aumento no preço do litro de combustível, mas estima-se que seja compatível com a redução no consumo que ele irá proporcionar. É possível que tenha uma base com o preço da gasolina Premium da Petrobrás, que tem octanagem semelhante e custa em média R$ 0,10 a mais que a gasolina comum.

Mas é interessante ter em mente que a economia gerada não será apenas no consumo, que poderá ser proporcional ao aumento no preço. Um combustível mais eficiente e de qualidade superior também gera outras economias, como com a manutenção do motor. A maior durabilidade do conjunto mecânico também poderá trazer efeitos positivos para a revenda do veículo usado.

Com motores mais bem preservados, a tendência é que a depreciação gerada pela elevada quilometragem seja reduzida significativamente, já que o futuro comprador passará a contar com menos gastos para manter o veículo que estará comprando. Isso significa que existem vantagens reflexas na nova gasolina, que ajudarão a compensar e a justificar o aumento no preço.

O controle sobre a qualidade exigido também será significativo para inibir a adulteração, que provoca falhas e quebras que colocam em risco a segurança no trânsito, resultando em prejuízos bem maiores e até mesmo imensuráveis.

Como ficará o prazo para os postos venderem a velha gasolina?

Para modular os efeitos dos estoques da velha gasolina que estão nas refinarias, a ANP permitirá que ela continue a ser levada às distribuidoras até o dia 3 de outubro, podendo ser repassadas aos postos até o dia 3 de novembro. Isso, porque deve ser dado previsibilidade e prazo às empresas para que sejam feitas as adequações.

A nova gasolina é um passo importante para a melhoria do combustível no Brasil que, apesar de não ser exatamente ruim, seguia padrões ultrapassados e estava sujeita a ser adulterada facilmente. O preço será mais caro, mas trará recompensas, a começar pelo menor consumo, que será sentido imediatamente.

Agora que você conhece a nova gasolina, veja quais são os tipos de carros espaçosos mais indicados para a sua família!



Notícias recentes
Confira 4 vantagens de ter um carro com teto solar
Confira 4 vantagens de ter um carro com teto solar Saiba mais...
Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro!
Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro! Saiba mais...
Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018
Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018 Saiba mais...
Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro
Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro Saiba mais...
Receba novidades por e-mail
Campo obrigatório Digite seu Nome
Campo obrigatório Informe um e-mail válido Informe um e-mail válido