Dá para rodar 1 milhão de quilômetros com seu carro?

Recentemente surgiu uma notícia no mínimo curiosa de um norte-americano que rodou nada menos que 1.600.000 quilômetros com um Toyota Tundra 2007. Para ser sincero, acho muita quilometragem para pouco tempo de uso, mas resolvi pegar o gancho para discutir o tema longevidade do motor.

Alcançar um milhão de quilômetros no odômetro não é impossível, mas também não é uma tarefa fácil. Será preciso fazer as manutenções como se estivesse cuidando de uma aeronave e isto, com certeza, custará um bom dinheiro.

Segundo noticiado, o esquema de manutenção da picape foi rígido. É como o utilizado em aviões monomotores e bimotores e, pasmem, existem aviões em que o custo de manutenção, quando transformado de horas para quilômetros percorridos, é mais barato do que a manutenção de muitos carros de luxo.


Dá para rodar 1 milhão de quilômetros com seu carro?


Depende de você
É verdade que alguns carros são melhores. Com o tempo, as pessoas vão identificando quais modelos aguentam mais desaforos do que outros, mas posso garantir que a vida útil dos motores atuais depende muito mais dos cuidados dos motoristas do que do fabricante, das estradas ou do governo.

Dentro do motor, a movimentação é muito intensa e pequenos cuidados são decisivos para sua vida útil. A cada rotação de um motor 4 cilindros, por exemplo, os pistões se deslocam duas vezes, uma para cima e outra para baixo. Exemplificando, se o motor gira na marcha lenta, com 1.000 rotações por minuto (rpm), cada pistão se deslocará 2.000 vezes dentro do mesmo minuto.

Se você fizer uma viagem de duas horas a uma velocidade média de 100 km/h (2.000 rpm), os pistões do seu carro se deslocarão 480.000 vezes. Toda esta movimentação exige superfícies bem lisas, lubrificadas, com folgas específicas e temperatura controlada.

Penso que acompanhar as revisões estabelecidas pelo fabricante já será um grande avanço, pois a maioria dos motoristas enxerga apenas a economia de curto prazo. Mas, se quiser se esforçar mais, converse com sua consciência e veja se você faz sua parte para buscar 1 milhão de quilômetros:


1)   Trocar o óleo religiosamente na data ou na quilometragem estabelecida pelo manual
Não subestime as consequências de postergar a troca. Imagine fazer uma viagem de duas horas sabendo que os pistões do seu carro vão se deslocar 480.000 vezes com o óleo vencido? Ruim, não? Não existe coisa pior para seu motor do que esquecer a troca de óleo.

2)   Nada de aditivos no óleo
A especificação do óleo deve ser obedecida. Quando o fabricante especifica um determinado óleo para o motor que ele produz, já prevê todos os aditivos necessários. Misturar duas substâncias químicas a alta temperatura e pressão pode resultar em outro produto. Reduzir os prazos de troca é melhor do que colocar aditivos.

3)   Vazamentos de óleo devem ser reparados prontamente
Não tem nada pior do que ficar completando óleo. Se você mistura óleo velho com óleo novo e acaba postergando as trocas, seu motor trabalha sempre com o óleo “batizado”, às vezes até com especificações diferentes. Isto é péssimo.

4)   Cuidado com combustíveis baratos
As famosas adulterações com solventes e outros produtos químicos podem contaminar o óleo do motor e transformá-lo em uma graxa ”assassina”.

Quando motor de um carro começa a falhar, por exemplo em virtude de uma vela cansada, o combustível que não é queimado acaba escorrendo para o cárter (reservatório de óleo) e contaminado o óleo. Se o combustível for gasolina, pode ter a certeza de que seu óleo vai perder boa parte de suas propriedades lubrificantes.

5)   Manter a temperatura ideal de funcionamento do motor
O motor não deve trabalhar frio e nem superaquecido. As duas situações extremas são prejudiciais porque alteram as folgas entre as peças. Ficar de olho em possíveis vazamentos de água, no funcionamento da válvula termostática e identificar mangueiras inchadas e ressecadas é o caminho. Acompanhe o comportamento do ponteiro de temperatura e desconfie de movimentações diferentes dos habituais.

6)   Troca das correias
As correias são muito baratas em relação aos estragos que a quebra delas pode causar. A cada 3 anos ou 50.000 km, substitua todas.

7)  Nada de dirigir agressivamente
Dar trancos nas saídas e fazer retomadas agressivas só prejudicam seu patrimônio. Não esqueça: excesso de carga e reboques, bem como regimes intensos de uso exigirão manutenções mais frequentes.

E, se você conhece alguém que não faz ideia do que acontece em baixo do capo do próprio carro, chegou o momento de ajudá-lo. 

Notícias recentes
Para que serve o óleo da direção hidráulica e quando trocá-lo? Para que serve o óleo da direção hidráulica e quando trocá-lo? Saiba mais...
Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro! Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro! Saiba mais...
Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018 Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018 Saiba mais...
Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro Saiba mais...
Busca


Receba novidades por e-mail
Campo obrigatório
Campo obrigatório Informe um e-mail válido Informe um e-mail válido