segunda, 12 de dezembro de 2016

Como os blindados se comportam em caso de acidente?

Por causa dos reforços de proteção, o blindado pode ser mais seguro, mas os airbags laterais precisam de atenção


Crash-test de um Mercedes Classe S blindado: maior proteção para os ocupantes


Com o aumento da violência nas grandes cidades e a redução do preço da blindagem de veículos nos últimos anos, é cada vez mais comum encontrar esse tipo de carro circulando nas ruas e estradas.

Mas será que, em caso de acidente, um blindado também é mais seguro que um automóvel comum? Ou será que a proteção extra na lataria e os vidros mais espessos são um risco a mais para os ocupantes?

Para tirar essas e outras dúvidas, consultamos especialistas no assunto que confirmaram: a integridade física dos ocupantes de um blindado é mais bem preservada que em um veículo sem a proteção.

Infelizmente, crash-tests e estudos envolvendo esses veículos ainda são raros e guardados em segredo pelas empresas, mas engenheiros que trabalharam com blindados explicam que a segurança em impactos é maior devido à chamada gaiola de proteção, formada pelo acréscimo de elementos de blindagem que ampliam a rigidez do automóvel.

“Acompanhei anos atrás um crash-test feito em uma montadora. O habitáculo ficou mais íntegro com a batida do que normalmente ocorre em um veículo sem blindagem”, afirma Ricardo Bock, professor de engenharia automobilística da FEI. “Ao contrário do que eu esperava, o para-brisa não se soltou em direção ao habitáculo.”

Numa blindagem bem feita, as zonas de deformação do automóvel são preservadas. Além disso, há ainda os overlaps (anteparos na junção entre lataria e vidros para evitar a entrada de projéteis), que também servem de reforço à cabine em caso de batida. Há técnicos da área que falam que esse tipo de veículo fica até 30% mais seguro, mas de fato não há estudos que confirmem esse número.

O dono de um blindado, no entanto, deve ficar atento aos airbags. Não há grandes problemas nos frontais, mas o mesmo não se pode dizer dos laterais, que precisam ser tratados com cuidado quando o blindado é remontado na oficina.

Na teoria, ele deveria abrir a partir da coluna de cima para baixo, para inflar a almofada de ar entre a lateral e o ocupante. Mas há o risco de o dispositivo abrir para dentro, fazendo com que o motorista bata a cabeça com o passageiro. Para evitar isso, ele recebe um direcionador, que faz com que infle na direção certa.

Portanto, é preciso se certificar de duas coisas: que a blindadora não retirou o direcionador e que ela não eliminou o airbag todo, já que o equipamento é complexo na montagem. “Retirar o airbag é um mal menor que retirar o direcionador”, diz Rogério Garrubbo, presidente da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin).

Quanto aos outros airbags, a diferença de peso (uma blindagem acrescenta em média 200 kg, peso equivalente à de três adultos) não influencia no tempo de abertura. Para verificar se o airbag lateral está adequadamente instalado, só levando o veículo a uma boa blindadora ou a um serviço de vistoria técnica especializada.

Airbags laterais e de cortina demandam cuidado no processo de blindagem


Há quase uma década, algumas blindadoras também retiravam as luzes que mostravam problema no airbag, o que hoje não é mais possível fazer em razão das novas centrais eletrônicas.

“Então, se você tem um carro blindado a partir de sete ou oito anos de uso, vale a pena passar em uma autorizada da marca e fazer o diagnóstico do sistema”, diz Garrubbo. Isso porque o fato de a luz do airbag não acender no painel não significa necessariamente falta de problema no sistema – pode ser um sinal de que a luz foi simplesmente retirada.

Resgate especial

Outra dúvida que surge é se num acidente uma equipe de resgate consegue retirar um motorista acidentado de dentro de um blindado. Saiba que esse tipo de veículo não é uma fortaleza impenetrável. De fato, a menor parte da proteção opaca (não visível) é formada de aço balístico – em geral apenas nos overlaps. A maioria é formada de leves mantas de aramida, material usado em coletes à prova de bala.

Mesmo assim, tanto bombeiros nas grandes cidades como equipes de socorro das concessionárias de rodovias têm hoje técnicas e equipamentos adequados para retirar pessoas presas em blindados.

Desde meados da década passada, o treinamento para abrir blindados tem sido intensificado por parte dos corpos de bombeiros das principais capitais do país. As ferramentas usadas por essas equipes conseguem penetrar facilmente nas blindagens. Além disso, há estratégias de resgate específicas, que incluem pontos do veículo que podem ou não ser serrados.

Automóveis mais modernos também contam com recursos que auxiliam os ocupantes a deixar o veículo. Em marcas premium, já é comum haver dispositivos para colisões que automaticamente destravam as portas e desligam a bomba de combustível e a bateria, para evitar qualquer risco.

E vale lembrar que corte na bomba de combustível (também chamado de crash-sensor) é algo que mesmo veículos compactos oferecem há muitos anos, porém destravamento de portas é exclusivo de modelos mais sofisticados, como Audi, Mercedes e Volvo.

Atenção ao volante

Outro cuidado é com a estabilidade e a frenagem, que obviamente são diferentes no caso de um blindado. Mas não é nada de outro mundo. Na prática, é o mesmo cuidado que se deve ter quando o veículo está com mais três ou quatro pessoas. Vale antecipar a frenagem e reduzir um pouco a velocidade antes de entrar nas curvas.

Mas é bom saber que os veículos com maior área envidraçada tendem a ficar menos estáveis. Em relação à área opaca, o vidro pesa bem mais (em média 70%). Quanto maior a superfície envidraçada, mais pesado (e instável) o carro vai ficar.

A estabilidade depende do centro de gravidade, por isso algumas blindadoras avaliam o centro de gravidade antes de aplicar a proteção. Por causa disso, os melhores veículos para receber a proteção são veículos baixos e largos, como sedãs de luxo ou cupês esportivos. Na outra ponta, os menos recomendáveis são as minivans grandes, como a Citroën Grand C4 Picasso, e o Smart ForTwo, alto e estreito.

Blindado de fábrica?

No mercado brasileiro, praticamente não existem blindados de fábrica, ou seja, projetados e construídos para receber a proteção – o único em catálogo hoje é o BMW X5 xDrive50i Secutiry. Os carros mais blindados do mercado (VW Tiguan, Toyota Corolla, Volvo XC60 e Hyundai Santa Fe) recebem a proteção em empresas especializadas, o que significa que são todos desmontados para receber a blindagem e, em seguida, remontados.

Por isso, atenção quando a autorizada diz que seus modelos têm blindagem autorizada pela fábrica. Significa só que a garantia será a mesma do modelo comum, mas seu processo de montagem é praticamente o mesmo se você levasse o carro para ser protegido numa blindadora de sua confiança.


Você não precisa esperar muito para poder conhecer a sua novo carro. Visite uma das nossas lojas do Grupo AB.

Saiba Mais sobre o mundo do automóvel:

http://www.grupoab.com.br/blog/

Conheça Grupo AB:

http://www.grupoab.com.br/

Fonte: Revista Quatro Rodas.

Como os blindados se comportam em caso de acidente?
Notícias recentes
Volvo XC40 2018 é revelado em vídeo-teaser na Hungria Volvo XC40 2018 é revelado em vídeo-teaser na Hungria Saiba mais...
Volkswagen lança caminhão que qualquer um pode dirigir Volkswagen lança caminhão que qualquer um pode dirigir Saiba mais...
Honda Urban EV: compacto retrô deve virar realidade em 2019 Honda Urban EV: compacto retrô deve virar realidade em 2019 Saiba mais...
VW Up! GTI surge em Frankfurt antes do lançamento oficial VW Up! GTI surge em Frankfurt antes do lançamento oficial Saiba mais...
Busca


Receba novidades por e-mail
Campo obrigatório
Campo obrigatório Informe um e-mail válido Informe um e-mail válido