O que é preciso fazer para vender um carro financiado? Entenda aqui


Para vender carro financiado há, basicamente, duas opções: vendê-lo à vista e quitar o restante das dívidas ou “transferir o financiamento”, o que na prática significa iniciar um novo contrato de financiamento com o novo dono.


Esse processo é bastante comum — fato constatado pelo aquecido mercado de seminovos — e pode ser motivado por diferentes razões. Há proprietários que gostam de estar sempre dirigindo modelos atuais e, para isso, precisam colocar à venda o carro anterior negociando com uma concessionária ou com um cliente particular.

Há também quem, por motivos diversos, não seja capaz de honrar com as parcelas do financiamento e seja obrigado a passar o automóvel (e a conta) para outra pessoa.

Em ambos os casos, é possível vender um carro sem complicações, mas como em qualquer negociação dessa categoria, é importante tomar alguns cuidados para não ter que lidar com nenhuma dor de cabeça no futuro. Continue a leitura para aprender, passo a passo, a vender seu carro financiado!

Quando devo vender um carro financiado?

A aquisição de um automóvel requer planejamento, sobretudo quando há um compromisso de pagamento por vários anos. No entanto, imprevistos acontecem, e, diante de uma situação inesperada, o ideal é mudar a estratégia, o que muitas vezes pode significar abrir mão do bem adquirido.

Em alguns casos, o apego do dono pelo carro pode fazê-lo crer que está passando por um problema temporário, mesmo que não seja. Em uma situação como essa, corre-se o risco de aumentar a dívida de tal maneira a ponto de ser quase impossível quitá-la.

Geralmente, a instituição credora entra em contato quando há atrasos nos pagamentos e pode oferecer opções de renegociação. Se não houver acordo, o nome do devedor pode ser inserido no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), e o veículo pode ser até apreendido. No entanto isso só deve ocorrer diante de situações críticas — cobranças abusivas e ameaças são passíveis de processo, fique atento!

O ideal, portanto, é avaliar a sua situação financeira com cautela e, uma vez constatada a impossibilidade de manter o financiamento, providenciar a venda do veículo o quanto antes.

Por outro lado, há também quem opte espontaneamente por trocar o carro por um modelo mais novo. Se essa prática for recorrente, vale destacar que o proprietário fiel a uma marca pode simplificar o processo e obter mais vantagens ao optar por financiamentos do tipo leasing.

Como vender um carro financiado à vista?

Esse é o caminho mais fácil, embora dependendo do modelo seja um pouco difícil encontrar um comprador disposto a pagar o valor integral do veículo. O que você deve saber nesse caso é que os juros nas parcelas podem elevar consideravelmente o valor do automóvel, mas é possível negociar com o banco responsável um desconto no pagamento à vista dos valores pendentes.

Ao definir o preço do veículo, lembre-se de levar em consideração não apenas o valor definido pelo banco para quitar as parcelas restantes, mas também o valor daqueles que você já pagou. Uma vez acertada a dívida, o bem deixa de ser alienado e a transferência do automóvel pode ser realizada normalmente.

Vale destacar que, em muitos contratos de financiamento, o banco só autoriza a venda do automóvel após o pagamento de um determinado número de parcelas. Sendo assim, o ideal é consultar o seu credor antes de anunciar o seu veículo.

Como “transferir o financiamento” de um carro?

Embora seja comum o uso d a expressão “transferir carro financiado”, não há nenhuma transferência de contrato nessa operação. Na realidade, ao realizar uma venda como essa, o primeiro empréstimo é encerrado e um novo é formalizado em nome do comprador do veículo.

Ao financiar um veículo, embora na documentação conste o nome do contratante, o carro permanece alienado, isto é, ele continua sendo propriedade do banco até a quitação de todas as parcelas previstas.

Isso significa que o processo de transferência precisa ser realizado em conjunto com o banco credor, tendo em vista que a operação precisa ser aprovada por ele. O novo dono, por sua vez, deve atender aos pré-requisitos impostos pela instituição para viabilizar um novo financiamento — geralmente são solicitados documentos, dados pessoais e comprovantes de renda.

Somente após acertar a contratação do novo financiamento em nome do cliente que a “Transferência de Propriedade do Veículo” deverá ser providenciada normalmente.

Quais cuidados devo ter ao realizar esse processo?

Independentemente da maneira como pretende vender seu carro financiado, a primeira coisa a fazer é procurar a instituição responsável pelo financiamento para se certificar da viabilidade da operação e obter orientações precisas.

Ao anunciar o automóvel, é também importante esclarecer a natureza da operação, de modo que os interessados tenham o perfil compatível com o que o contrato do banco exige. Se o comprador não for capaz de comprovar a sua renda, por exemplo, um novo contrato pode não ser viável. Além disso, a venda entre pessoas físicas e jurídicas geralmente também não é permitida.

O que não deve ser feito de forma alguma é firmar um acordo de forma independente, ou no “boca a boca”, popularmente dizendo. Mesmo que novo comprador se comprometa a pagar as parcelas em seu nome — o que por si só já é muito arriscado —, você estará sujeito a todos os encargos e penalidades que possam surgir atreladas ao automóvel.

Eu posso simplesmente “devolver” o automóvel?

Por fim, há uma situação bastante desagradável que, embora improvável, pode ocorrer: e se você não conseguir vender o automóvel? É possível simplesmente devolvê-lo e encerrar o contrato?

De acordo com Gustavo Fonseca, especialista em direto do trânsito, a devolução amigável do veículo é possível, mas apenas se a instituição credora aceitar. Geralmente, há uma série de condições para viabilizar essa negociação. Entre várias outras exigências, é fundamental que o veículo esteja em bom estado de conservação e com os impostos em dia.

É importante frisar que mesmo após entregar o carro — cujo valor será definido pelo credor ou pelo preço arrematado em leilão —, podem restar débitos a serem pagos no financiamento. O estado do veículo, a depreciação e o número de parcelas já quitadas são fatores que também podem influenciar o valor final.

De todo modo, vender o carro financiado certamente é uma opção mais vantajosa, pois o preço definido pelo credor normalmente será inferior à tabela FIPE. No entanto, o vendedor deve estar atento a todas as etapas do processo e cumpri-la conforme a lei e as diretrizes do contrato, para não ter prejuízos no futuro.

Gostou do conteúdo? Que tal nos seguir nas redes sociais para acompanhar todas as novidades do mundo automobilístico pelo nosso blog? Esperamos você no Facebook, Twitter, YouTube, LinkedIn e Instagram!



Notícias recentes
Nissan March
Nissan March Saiba mais...
Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro!
Saiba o que é e para que serve a correia dentada do carro! Saiba mais...
Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018
Saiba quais foram eleitos os melhores carros do ano de 2018 Saiba mais...
Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro
Saiba como evitar o desgaste prematuro dos pneus do carro Saiba mais...
Receba novidades por e-mail
Campo obrigatório Digite seu Nome
Campo obrigatório Informe um e-mail válido Informe um e-mail válido